quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Miranda, 8 Anos de Resistência

   Na primeira semana de junho de 2008, Tamer Fadida, meu vizinho em Paraty, o melhor vizinho que alguém poderia ter, me chamou mais uma vez para participar do Temascal, dessa vez com seu irmão, que acabara de voltar do México, onde viveu com xamãs. O Temascal é um ritual que usa pedras quentes, numa cabana, com pessoas e cantos xamânicos. O lugar era lindo. Na montanha do Coriscão. Só não podiam participar mulheres menstruadas e grávidas no primeiro trimestre. Olhei para a querida e sempre presente em momentos decisivos, Flavia Vieira. Era a única que sabia do meu comportamento sexual de risco há 8 dias (fazer sexo sem camisinha e correr o risco de engravidar ou contrair uma doença sexualmente transmissível). Pensei que a possibilidade de estar grávida era remota, já que eu estava há alguns dias de completar 38 anos e a matéria, de capa de uma dessas revistas semanais era, justamente, sobre fertilidade. Dizia que após os 35, as chances de engravidar caiam para 15%. Além disso, eu tinha uns problemas no ovário esquerdo. Enfim, fui no Temascal.
  Era como uma sauna seca muito quente, com cantos xamânicos. Não tomamos nada, nada mesmo, além de água. Senti a pressão cair. Fiquei tão mal, que não conseguia falar. Fui desfalecendo e me deixando deitar na terra fria, sentia uma batida compassada no útero. Estava quente, batia forte, eram pontadas, mas que não doíam. Contei para Flavia, que na hora disse: "você está grávida". Era um coração. Ela era muito forte muito antes de nascer.
   Mas só faziam 8 dias. Era coisa da minha cabeça. Segui meus planos de ir para o Ceará de jipe, atravessando o sertão, com Flavia e Dora, que tinha 6 anos. A viagem foi maravilhosa, longa, cansativa, mas melhor do que eu esperava. Lá tudo correu muito bem, até o dia em que vomitei sem parar, fui parar no médico, que me deu parabéns pelo bebê! E o que se passou na gravidez não é muito diferente do que milhões de mulheres passam. Sozinha. Aliás, sozinha não, sempre contando com a presença de muitos amigos. Mas nenhum pai para o bebê. O genitor não quis saber. Até entrei com pedido de exame de paternidade, ainda grávida, só para constar nos autos, porque sabemos o quanto a Justiça patriarcal protege os machos. Fiquei chateada, mas nem tanto, vai que depois o cara quer a guarda do bebê. Olha, isso eu posso dizer, melhor criar um filho sozinha do que passar uma década querendo o filho de volta... e não ter.


    Mas com esse cenário, não curti a gravidez. Que não precisou de repouso. Eu estava linda, nunca me senti tão maravilhosa. Morava num paraíso, comia só comida saudável, nadava, fazia hidroginástica, caminhadas, viajava, cuidava da filha, trabalhava. Mas não fiz enxoval, não queria coisas de bebê, quis mudar de cidade, estava tão insegura. Só descobri o sexo aos 6 meses. O nome foi sugestão da irmã. Não consegui imaginar nome mais bonito e mais sonoro do que Miranda. Ela nasceu em Santos, sete dias após a irmã mais velha completar 7 anos. Assim que nasceu fui invadida de amor por aquele bebê grande, de covinhas, que dormia oito horas seguidas, mamava sem parar e acordava sorrindo.
    E engatinhou muito cedo, começou a andar aos 10 meses. Chutava tudo o que via pela frente, logo dei uma bola porque pensei que só poderia ser uma jogadora de futebol quando crescesse. Mas não, ela continuava chutando as pessoas. A bola era usada mais pelas mãos. Essa menina linda e saudável nasceu sem pai, como tantas outras. Isso não é assim tão dramático, tão único.
   Mas uma semana antes de fazer 2 anos, teve a única irmã levada, por busca e apreensão, para Ribeirão Preto. Nós nem sabíamos onde a irmã estava. Eu dizia que foi viajar, estava passeando. Por 15 dias corria ao portão quando ouvia buzina. Achava que era "sua Doinha" chegando da escola. Olhava fotos da irmã e dizia: "minha Doinha" e chorava... brincava com as bonecas da irmã, até que passou a detestar Barbies, só queria bonecas bebês. Eu evitava tudo que era dança, bailarinas... porque ela lembrava da irmã e chorava. 
   Isso aconteceu em fevereiro de 2011. Em dezembro do mesmo ano, o avô morreu. O velhinho que nunca a pegou no colo. Nem falava mais, porém, que ela idolatrava. Quando meu pai foi para uma clínica, Miranda foi visitá-lo muito mais do que eu que, egoísta, não suportava a dor de ver meu pai com 40 kg, com olhar perdido, sem lembrar de mim. Miranda não via nada disso. Ela ia lá e ficava fazendo carinho na cabeça dele, conversava com os outros velhinhos e comia um lanchinho. Ah, sim, ela é muito comilona, mas muito mesmo.
   Dos 2 aos 5 anos de idade ela me acompanhou em fóruns, buscas e apreensões, infinitas idas até Ribeirão Preto, na esperança de ver a irmã, e nada. Voltava chorando, triste, querendo chutar ainda mais as pessoas e esse sistema que ela não conhecia, mas já era vítima. Por que a Justiça a impedia de ver a irmã? Por que os avós e o pai da irmã não deixavam que ela visse a irmã? Por que sua irmã não a procurava? Por que não voltava? Então, ela passou a dizer que a irmã tinha morrido. Ela queria matar essa dor dentro dela. Foi o que pensei, foi o que uma amiga psicóloga, Kátia Chigres, observou. 
    Mas elas se reencontraram. Foi difícil, mas o amor é imensurável, é recíproco, é infinito. E passamos por tantas nesses 8 anos de vida da Miranda. Tantas viagens, tantas mudanças, tantos transtornos. Tem noites de insônia que fico olhando para ela e penso como esse tempo poderia ter sido melhor, como eu poderia ter me dedicado mais à ela do que ao processo, como esse processo minou minhas forças, quase me enlouqueceu (sim, é totalmente kafkaniano). Mas Miranda sempre esteve ali: forte, alegre, saudável.
     E, entre todas as nossas mudanças, por mais que ela sinta falta da praia e da vovó, São Paulo foi a mais acertada. Não que tudo esteja bem e dando certo, mas porque foi em São Paulo que encontramos uma escola, a Teia Multicultural, em que ela pode desenvolver suas habilidades, sem tantos padrões, onde não me chamam para dizer que ela pode ter "hiperatividade", que ela é "difícil", "terrível". E foi numa manhã de fevereiro, há pouco mais de um ano, indo para a Teia, que ela parou para ver um treino na Tat Wong Pacaembu. Eu, meio leiga em artes marciais, disse que era karatê. "Não, mãe, karatê não é". Era kung fu! Ela fez uma aula experimetal, amou, continuou, diz que será Ninja, que vai ser uma kung fu até ficar velhinha, já fala até 20 em chinês. E um dia, conversando com o Shing Guilherme, ouço, orgulhosa, que ela tem um chute muito forte e, que se continuar assim, até os 13 anos pode ser faixa preta. Então contei dos chutes que sempre dava e que agora não chuta mais. Só no kung fu. "Adriana, as crianças dão sinais pra gente o tempo todo, elas mostram suas aptidões". E eu, que só tinha olhos para o processo, não enxerguei algo tão evidente! 
    E agora, quando penso nesses 8 anos, sei que sem ela, muitas vezes não teria saído da cama. Foi ela que com sua energia fora do comum, me fazia fazer alguma coisa. Foi ela que me fez cozinhar com prazer. Sem ela eu não teria me cuidado para cuidar dela. Sem ela eu teria mais tempo, mais dinheiro, mais liberdade, mas seria mais triste, mais sozinha, sem esperança. Hoje ela completa 8 anos, acaba, oficialmente, a primeira infância. Só espero ter mais acertos do que erros daqui para frente. E que ela siga sendo minha companheira para tudo. E siga gostando das músicas que gosta. E para ela vai hoje uma música do "gordo", como ela chamava o genial Tim Maia, antes de saber seu nome. Sim, ela é fã de Tim Maia, assim como Nirvana. Ela anda pela rua cantando Que Beleza https://youtu.be/Nq_AOktdhts. Ela é minha fortaleza, com quem divido tudo e que ninguém divide comigo. Miranda é feliz. E é essa felicidade, essa vontade de "fazer coisas legais" é o que mais admiro nela. Além de todo o amor que ela me dá.


   

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Hoje Faz 15 Anos


  Faz 15 anos eu estava na Maternidade Pro Mater, pertinho da avenida Paulista, para embarcar na aventura humana de ser mãe. A mãe humana é diferente das outras mães. Não é só instinto de preservação, o parir, lamber a cria, amamentar e nutrir. E depois que o mamífero cresce e se vira sozinho, “adeus meus bebês”. Mães humanas são animais racionais que pensam no “é pra vida toda”, porque a mãe humana continua mãe depois que o filho vai embora. A mãe humana tem até a Síndrome do Ninho Vazio quando o filho sai de casa. Isso deve seguir até uns 50 anos depois de ser mãe. O filho nunca sai do coração da mãe humana. Muitas vezes, nem da alma.

  Ah, mas isso estava tão longe dos meus pensamentos há 15 anos. Eu só conseguia olhar aquela menininha perfeita de 3.640 kg e 47 centímetros. Linda, apertava meu dedo enquanto mamava loucamente. Nossa, como meus seios, que já não eram pequenos, estavam imensamente enormes! Quando fui ao banheiro pela primeira vez constatei que minha barriga ainda parecia carregar um feto de 7 meses. Sangrava como nunca havia sangrado na vida, talvez precisasse usar uma fralda! E nada disso importava. Eu só conseguia olhar no espelho e ver uma mulher linda, de pele incrível, olhos brilhantes, sorriso encantador. Depois de 7 meses e meio de total repouso, estava cheia de energia para fazer de tudo.
  Nem tinha rede social, celulares fotográficos e mesmo a câmera digital, ainda começava. Era sábado de Carnaval em São Paulo, não esperava ver tanta gente no quarto. A gravidez foi cheia de histórias e tão delicada que pessoas muito queridas a acompanharam de perto e fizeram questão de estar lá na hora da chegada da aguardada Dora. Parecia uma festa, cheia de gente que falava alto e ria num ambiente repleto de endorfina. Eram amigos e familiares meus e do pai da minha filha, que chorava emocionado sempre que olhava o bebê. Eu, para ser bem sincera, não chorei na hora do parto, nem logo após. Estava mais aflita com os procedimentos cirúrgicos, com as agulhas e anestesia. Chorei mesmo quando cheguei no meu apartamento três dias depois e vi que dali em diante era eu e o bebezinho. Mas, para minha surpresa, foram meses de aleitamento, paz, conhecimento humano e estado de graça.
   Tem aquela história da mãe que sonha em ter filha bailarina. Nunca fui a mãe dessa história, aliás, antes de ser mãe, não me imaginava mãe de história nenhuma. Mas eis que minha linda filha, sempre tão delicada no toque das coisas e na descoberta das palavras (e que transbordava alegria nas risadas banguelas e nos abraços apertados) começou a andar na ponta dos pés. Logo soltei um “vai ser bailarina”, de forma meio irônica, porque sabia que minha filha sempre seria o que ela quisesse. Nunca estimulei protótipos, ao contrário. Mas a menina era louca por Barbies, 50 tons de rosa e bailarinas. Também cantava Roda Viva, do Chico Buarque, aos 3 anos. E sempre gostou de Mozart. Mas eu nem achava isso coisa de gênio, achava que era coisa de quem é minha filha mesmo. Também era o bebê simpatia que andava de carrinho pelas ruas dando oi e acenando para todos. Adorava uma estrada e arrumar mochila para viagem. Tanto que fizemos parte do Guia 4 Rodas Bebê a Bordo, em 2003, o que resultou numa matéria do lançamento do livro na TV Cultura. Conversava com a câmera, como se fosse minha filha!

   Hoje esse ser tão amado faz 15 anos. Ainda não lhe desejei feliz aniversário. Há alguns dias não acessa internet. Ela já deve ter acordado e ido para sua nova escola. Tento imaginar como é o quarto em que ela dorme, quem é a pessoa que a acorda ou se acorda sempre só. Penso como foi seu café da manhã dos 15 anos. Se comeu frutas. Enquanto tomo meu café amargo e puro, sozinha na cozinha, lembro nossas manhãs em São Paulo, quando começou a comer à mesa, sentada em seu cadeirão, experimentando todos os tipos de queijo que nosso querido amigo Clayton, trazia para salutar degustação. Lembro a casa que moramos em Boiçucanga, nossos cafés da manhã na varanda. Cheios de músicas de passarinhos.
  Tento imaginar seus novos amigos na nova escola. E também os antigos, que eu não conheço. Lembro de todos os amigos do jardim da infância, alguns com quem ainda tem contato. Também lembro o jeito que ela acordava, me dando bom dia, sentando no meu colo, me abraçando e me beijando. Sempre assim, carinhosa. Tento imaginar quem foi a primeira pessoa a lhe dar feliz aniversário hoje. Quem lhe escreveu a primeira mensagem a ser lida. Escrevo há alguns dias, mas não obtenho resposta. Sei que ela sabe que escrevo e sei que algum problema cibernético a impede de me responder. Não há fiações e conexões falhas que consigam cortar o elo telepático que existe entre nós. Mesmo não fazendo parte dos seus aniversários, suas festas, formaturas, seus ensaios, sei quem ela é. Ela sabe quem eu sou. Sou a mãe que nunca está no dia-a-dia. Não porque não queira, não porque não tente ou tenha tentado de todas as formas. Não imagino o que doeu nela. Sei da dor que isso causou e causa em mim.

   Não sou uma mãe do cotidiano. Sou mãe com hora marcada, mãe nas férias. E nem sempre o tempo marcado é o tempo certo, o necessário, o desejado. Mas é o melhor tempo, é o que temos. E os melhores momentos, os dias mais felizes são os dias com ela. Podem ser 5 ou 500. O que sempre vejo nela é beleza. Nas suas opiniões, indecisões e certezas. Além de que tudo ao redor dela se torna mais leve. Estilo A Insustentável Leveza do Ser.

A vida como um musical

   Assim que aprendeu a andar na ponta dos pés, saiu dançando. Antes dos 3 anos a professora Juliana Andrade veio me pedir para dar aula para Dora, “porque era bailarina nata”. No que eu concordava plenamente. Seguiu bailando por Santos, na Rosely Ballet e na Escola de Bailado Municipal de Santos. Quando saíamos para o supermercado, praia ou cinema, a menina começava a bailar, saltitar e cantar, dentro do contexto, como um musical. Eu achava lindo e dizia, com orgulho, “a vida da Dora é como um musical”. Ela continua dançando. Agora na Carla Petroni, em Ribeirão Preto. Tem verdadeira paixão pela dança. A Dani, coreógrafa do Municipal de Santos, já me dizia que Dora pegava coreografia muito rápido e que “inventava” passos durante os intervalos dos ensaios. E eu incentivava a música e a dança na vida dela. Porque dança é arte e esporte. Acho complexo.
   Então nas últimas férias fomos ver La La Land no Cine Belas Artes, o meu preferido em São Paulo. Só não foi perfeito porque não conseguimos ingressos para a sala Drive In, mas compramos adiantado e fomos curtir a Paulista sem carro no dia do aniversário da cidade. Antes do filme, ouvimos muita música dos artistas de rua que tocavam pelas esquinas e calçadas, dividindo espaço com exposição de quadros, posters, pinturas e artesanatos. Comemos no nosso tradicional local da Rua Augusta. E chegamos meia hora antes da sessão para tomar um café. Estávamos ansiosas para saber os motivos de tantas indicações ao Oscar, além de ser musical, o que significava ter muita dança e Dora estava saudosa das aulas, louca para sair bailando.
   Confesso que musical não é minha preferência de gênero cinematográfico. Mas o dia estava incrível e estar disposto já faz você gostar de algo antes de conhecer. Enfim o filme começa e tem duas cenas musicais seguidas, se só assim fosse, talvez eu não gostasse tanto. Mas começou ter um roteiro bom, apesar de comum. Pessoas que querem seguir sonhos. Pessoas que pensam em desistir dos sonhos. E tantas referências de musicais e homenagens. E casal carismático que filosofa sobre vocação, submissão ao sistema e rejeição. E muito jazz. E cenas incríveis. E alguma vontade de chorar, mas não sabia porquê. Às vezes uma sensação de estar vendo uma obra-prima à minha frente. Outras de estar com minha obra-prima ao lado.
   E quando a última estação do filme se aproximava do final, as lágrimas vieram e fui secá-las com a mão, que estava cheia de sal das pipocas. Não sei se chorava da cena do filme ou da cena real. Ao olhar para o lado, vejo Dora quase aos prantos. Não sei se vamos superar esse dia ou esse filme.

   Só espero que siga levando a vida como a dança, com leveza, com paixão, treinando, aprendendo, conhecendo, aprofundando, algumas vezes no chão, outras flutuando. Hoje ela faz 15 anos! E eu só desejo que o seu dia seja cheio de amigos e música e amor. Porque os amigos são nossa escolha. E a música dá sentido à vida. E o amor é o que nos protege do mal.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

A Madrugada dos Canalhas e a União dos Aflitos


    Só fui perceber que fiquei muito tempo sem escrever por aqui porque já é dezembro e fui mostrar o último post para Dora. Todo cheio de amor, união e esperança, sobre o Show de Talentos da Teia. Custei a dormir, primeiro porque não canso de olhar Dora e Miranda dormindo juntas, abraçadas. Segundo porque pensei sobre o último mês e os acontecimentos pessoais e mundiais que me impulsionariam a escrever. Sorri ao lembrar um comentário de Dora: “Quando acabar 2016, vão colocar: dirigido por Quentin Tarantino”.
    Nesses dias elegeu-se Donald Trump como presidente dos Estados Unidos. E eu já estava bastante abatida com a vitória esmagadora do retrocesso e imbecilidade nas cidades de todo o Brasil, principalmente na cidade de São Paulo, onde moro, e do Rio de Janeiro, onde tanta gente incrível que conheço, mora. Duas cidades símbolos do Brasil. Então vejo Trump ser eleito, ao mesmo tempo em que leio o que posso, o que me enviam, o que me indicam sobre Estado Islâmico, Nação Árabe, Grupos Terroristas e Crime Organizado. Tudo para o trabalho final de um curso que fiz sobre Geopolítica e Grupos Terroristas. Fiquei tão cheia de informações e ideias que não conseguia mais dormir.
   Indo para um Encontro de Nadadores, que ajudei a idealizar, onde encontraria os melhores amigos, os mais antigos, os que não vejo há décadas, os que vejo sempre, levei um tombo. Fraturei o nariz em duas partes. Sangrei até quase desmaiar, senti muita dor, fiquei inchada, não fui. Me neguei a escrever sobre mais um acidente no lugar de um encontro cheio de emoção, lembranças e abraços. O mundo não precisa disso. Nem eu precisava...
   E um dia eu acordo às 6h, como de costume, faço café, me preparo para escrever o tal artigo para o curso e ligo a TV para ver as notícias do dia. Um avião havia caído. “Nossa, lá vem mais uma tragédia mundial”. Estava toda a equipe do Chapecoense. Conforme fui ouvindo o desenrolar da história, fui me dando conta da importância do fato. Não era “apenas” um acidente de avião, que choca por ter mortes simultâneas e coletivas e, direta e indiretamente, afetar um grande número de pessoas, num efeito dominó. Era um acidente com duas equipes inteiras: de futebol e de jornalismo. Eram pessoas que iam para a final de um campeonato internacional, todas com o mesmo destino: fazer o melhor trabalho, trabalhando no que gosta. Quase o sonho de quase todos. Era um time pequeno que ficou grande. Eram jornalistas especializados, alguns tão grandes, tão generosos, que mostravam as melhores imagens para todos, sem distinção, e nunca se mostravam (assim são os cinegrafistas, ao menos, todos os que já conheci).
   Então, para sair do choque emocional que uma tragédia como essa causa, imediatamente comecei a ver o fato de forma jornalística. Não era só uma tragédia nacional, era também o maior acidente aéreo da história envolvendo atletas. E quando envolve atletas o choque é maior. Porque sabemos que atletas estão sempre juntos, na alegria e na tristeza, na explosão de raiva e na explosão de choro. Os atletas, na minha humilde opinião, são o maior símbolo de união. Porque são muitos e estão sempre juntos. Repórter com cinegrafista e fotógrafos também, mas em escala e tempo menores. Talvez por isso, em pouco tempo já eram mostrados, em retrospectiva, os acidentes com a equipe de futebol do Torino, da Itália, e da equipe de Rugby do Uruguai. Ou seja, o da Chapecoense será lembrado para todo o sempre. E ainda mais se outras tragédias acontecerem. Porque eram atletas e estavam voando atrás de seus sonhos e objetivos: ganhar o campeonato e disputar a Libertadores da América.
   A princípio o que vejo na mídia nacional é a exploração de lágrimas, imagens repetidas de avião destroçado. A TV Globo, enquanto não chegavam realmente notícias, ficava mostrando repórter entrevistando repórter esportivo que era amigo de algum repórter morto. Jogadores de futebol amigos dos jogadores mortos. Arrancavam lágrimas para tirar mais lágrimas.
   E no meio da comoção mundial, na madrugada seguinte a esse acidente tão trágico, os congressistas brasileiros trabalharam sem parar. Mas não foi com diplomacia, relações internacionais ou coisa parecida, já que o acidente aconteceu na Colômbia, com avião boliviano. Os congressistas nacionais passaram a noite votando em medidas que congelam salários, aumentam o tempo de aposentadoria, tiram vários direitos trabalhistas e dão vantagens a empresários. Também votam o fim da Operação Lava Jato, aquela mesma que era para acabar com a corrupção. Mas só com a corrupção do PT, porque PSDB, PMDB e demais partidos podem continuar roubando e corrompendo a vontade.
   Esses congressistas não são nada menos do que canalhas. E todas as pessoas que apoiam o Governo Michel Temer são imbecis ou canalhas. E a mídia do mundo inteiro sabe o quanto foram desumanos e canalhas ao votarem na calada da noite, enquanto pedaços de corpos de brasileiros mortos estavam sendo recolhidos. Espero que daqui a 50, 100 anos, essa madrugada seja lembrada como a madrugada dos canalhas.
   Mas 2016 também teve e ainda terá coisas boas, que escreverei depois, pois agora as estou vivendo.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

O Show de Talentos da Teia

   A Escola Teia Multicultural, em São Paulo, onde Miranda estuda, é diferente em vários aspectos e não por acaso saiu recentemente numa publicação sobre escolas inovadoras. Bem, eu conheço a Teia muito antes dela existir. Lá no meio dos "anos 80", quando conheci Georgya Corrêa na sala de aula. A garota de 15 anos, que se tornou uma das melhores amigas do colégio, não cansava de falar da escola em que estudou quando morou na Índia. E como aquele método de ensino fazia muito mais sentido na vida prática do que como aprendíamos nas nossas escolas tradicionais.
  Mas falar do surgimento da Teia é material para tese de mestrado (aliás, coisa que a Georgya já está fazendo). O que tentarei reproduzir aqui é um dos momentos únicos que essa Teia de amor, solidariedade e conhecimento proporciona a todos e qualquer um que a conheça: o tradicional Show de Talentos da Teia.
   Miranda estava se preparando para o Show de Talentos há algumas semanas. Todo dia cantava a música Nem Uma Verdade Me Machuca, da Pitty. A letra é complexa e bem profunda. Mas ela diz ter dúvidas se canta ou se faz um cati do kung fu. Incentivei a apresentar o cati, "porque todo mundo vai achar diferente", "porque se errar, ninguém vai perceber". Mesmo sabendo cantar e acertando as notas, conheço minha caçulinha e sei que, caso errasse, poderia cair no choro. Ela é exigente demais com ela mesma. Talvez eu seja exigente demais. Enfim, decidiu apresentar o cati.
   Chegar na Teia em dia de festa é uma alegria. É dia de encontrar velhos e novos amigos. De cara encontrei o querido André, irmão da Geo, que tem uma filha também na Teia. Conversamos sobre muitas coisas da vida. E como nossos encontros são breves nunca temos tempo para banalidades. Nossas vidas podem ser tudo, menos banais. Em 15 minutos falamos de carreira, de filhas, de prazeres, de sonhos, de possibilidades, de vocações.
   Então começo a ver os shows com Cauã (filho mais novo da Geo) e sua legião de tietes. Antes mesmo de cantar, acompanhado de seu pai Tanã ao violão, já era ovacionado pelos amigos. E quando pegou o microfone  para cantar Pokemon, até eu acompanhei fazendo coral. 
   Foram tantas as apresentações marcantes, que não cabem todas aqui, mas vou pontuar algumas. Quando a pequena Sofia foi chamada para cantar ninguém esperava o que estava por vir. Antes da música começar, ela disse, em tom sério e emocionado: "Essa música eu dedico para o meu avô. Ele tem uma doença, que chama câncer". Então, com voz doce e um tanto embargada, começou a cantar Teresinha, de Ana Larousse https://youtu.be/5k4cCt__hWU. São poucas as pessoas que não tenham um caso próximo, ou mesmo distante, com o câncer. Eu chorei. Olhei ao lado e duas mães choravam. Muitas crianças choravam. Não sei se pelo avô de Sofia ou pela música linda, cantada de forma suave e, mesmo com lágrimas, até o fim. Muitos abraçavam crianças, que também choravam e já nem sabiam porque. Sabiam que ali alguém sentia dor e queriam dividir essa dor. Porque, de alguma forma, já sabem, que a dor dividida, diminui.
   Depois de Sofia, foi a vez de Tsu, um menino encantador. Percebi que ele não sabia bem como começar, como transformar aquele tanto de lágrimas em risos. Pegou o microfone com sua voz rouca e seu jeitinho charmoso e cantou Mais Ninguém, da Banda do Mar https://youtu.be/61jSSF3Vu54. E o ambiente foi tomado por um clima de amor e música, bem ao estilo Mallu Magalhães e Marcelo Camelo. Muitos aplausos, ainda algumas lágrimas.
    Quando o menino Martin fez o seu tradicional show de mágicas, pediu assistentes. Todos levantaram as mãos, mas, claro, ele chamou essa que vos escreve para ser "hipnotizada". E lá estava eu, sendo hipnotizada, desaparecendo atrás de um lençol e, por mais que o outro assistente tenha me deixado aparecer, todos aplaudiram como se Martin fosse o mago dos mágicos.
   Algumas patinadoras, bailarinas, menina da fita, interpretações depois, vem o irmão de Tsu, o pequeno Petrus e mais três colegas, cantando cheio de malandragem e swing Nem Vem Que Não Tem, do Wilson Simonal https://youtu.be/ssHV0eTCeTc. As lágrimas passaram a ser de excesso de riso. Foi hilário!
   Algo transformador e, ao mesmo tempo, tão simples, nesse Show de Talentos, é que a palavra talento foi usada em sua forma mais esplêndida. Talento não é apenas um dom, algo que alguns nascem com e outros sem. O talento pode ser genético ou ser desenvolvido. Ter talento não é ser o melhor no que se faz. Mas é ter habilidade para algo, que pode ser artístico, físico ou mental. É gostar de fazer e fazer, mesmo não sendo um virtuose. Muitas vezes temos talento para alguma coisa, mas nunca descobrimos. A Teia desenvolve talentos natos e aflora talentos que nem imaginávamos existir. E o mais emocionante na apresentação dessas pequenas criaturas é o entusiasmo, a forma como um incentiva o outro, como um amiguinho torce pelo desempenho do outro. E aplaudem! E dão urros! E vibram! E sentimos a vida pulsando e uma tremenda esperança nessa geração que está crescendo com valores realmente humanos. 

   Ah, sim, Miranda apresentou seu cati, ficou chateada porque errou, mas eu disse que ninguém percebeu que ela errou, nem eu. E a menina Sofia, que emocionou a escola inteira cantando Teresinha, veio parabenizar Miranda:" Você arrasou!". E eu, como sempre, me emocionei.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O Terror Generalizado


   Estou fazendo um curso no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo: Geopolítica e Grupos Terroristas. Quem me conhece sabe que desde muito nova já lia tudo que podia sobre IRA e Sendero Luminoso, sempre me interessaram os pequenos e grandes conflitos políticos e religiosos. Não que goste das guerras, mas porque elas existem desde que o mundo é mundo e o melhor jeito de não ter guerra é evitá-la. Sei o quanto esse pensamento é utópico também. Me resta estudar mais para entender e não sair por aí, falando aleatoriamente, sobre minhas teorias, que podem parecer bobagens.
   Na última aula tivemos uma interessante palestra com Abdul Nasser, da Aliança Nacional Islâmica. Tirando todo o machismo do pensamento muçulmano, que respeita suas mulheres de véus, mas acha que sair com blusa de alcinha e shorts rasgados é “não se dar ao respeito” e “desperta” os instintos do estuprador, que sexo antes do casamento é o que gera filhos sem pais (e não a irresponsabilidade e soberania masculina, que deixa os filhos a mercê dos cuidados e condições das mães “solteiras”, pois sabem que jamais serão punidos ou cobrados), o Islã prega igualdade e compaixão. Por isso, a partir de agora, denominarei o grupo terrorista Estado Islâmico de ISIS, para evitar essa confusão e esse ódio generalizado ao Islã. O ISIS se apoderou da bandeira do Islã, o que não significa que 1,6 bilhão de muçulmanos no mundo sejam coniventes. Muito ao contrário. As comunidades islâmicas espalhadas pelo mundo tentam identificar e combater possíveis terroristas. Como? Combatendo a desigualdade e intolerância.
   Uma frase simples e marcante de Abdul (um homem inteligente, radical e sincero) foi: “A injustiça é o que gera o terrorismo”. Sim, terrorismo não é feito apenas de homens bomba. Antes disso eles foram crianças com casas bombardeadas, com famílias exterminadas, moraram em acampamentos, foram doutrinados por extremistas (com infância semelhante) e não conheceram outra vida que não fosse guiada pela destruição e fúria. Quantos terroristas não podem surgir a partir das crianças e jovens refugiados sírios?
   Fazendo uma analogia com o caso das mães que perderam a guarda de filhos. Após anos de batalha judicial em que perdemos também nossa saúde, dinheiro e sanidade mental, sofrendo todos os tipos de humilhações, penúrias e injustiças por parte do Poder Judiciário (aquele que deveria defender, principalmente, o direito das crianças), pensamos, algumas vezes em “tocar o terror” nos fóruns. Sim, pensamos, mas o Brasil não é de cultura extremista e nós, apesar dos pesares, pensamos nos inocentes que estão nos fóruns: o pessoal do cafezinho, da faxina e o cidadão comum que está lá tentando resolver seus problemas. Os demais envolvidos no sistema são tudo, menos inocentes.
 Por que existem feministas que odeiam os homens? Porque foram humilhadas, violentadas, estupradas, encarceradas por homens. Sou uma feminista que só quer igualdade de direitos. E me dói ver mulheres tirando sarro do movimento, que “feminista quer direito igual, mas não vai lá carregar um saco de cimento igual homem”, isso não é só infantil e raso, é também imbecil. Nunca a mulher vai ter força física igual a dos homens. Eu nado melhor e mais rápido do que muitos homens. Mas me coloque ao lado de um nadador que tenha o mesmo treinamento e ele será mais rápido do que eu. O feminicídio é nosso terrorismo diário. Toda mulher tem (ou deveria ter) medo do estupro. Pode ser evangélica, temente a deus, usar roupas que cubram todo o corpo, ser idosa. O estuprador não vê diferença. Não adianta castração química. O estupro está no cérebro, não no corpo.
   Não fugi do tema. No terrorismo do ISIS, da Al-Qaeda e em todos os conflitos de maiores ou menores proporções, mulheres são estupradas. Muitos filhos do estupro são novos terroristas em potencial. Muitos são levados para crescerem como terroristas. Muitos não conhecem outra forma de vida.
   Dia desses escrevi a frase de Abdul numa rede social. Foi na segunda-feira, quando as tropas iraquianas entraram em Mosul (dominada pelo ISIS desde setembro de 2014) para combater os terroristas. Perguntei quem mais lucra com mais essa guerra. Pensei, principalmente, nos EUA e sua indústria bélica e seu interesse no petróleo do Oriente Médio. Claro, existem mais países que fabricam armas. Mas essa mania do Governo dos EUA sempre se meter nas guerras dos outros e, desde o começo do ataque ao terror, estar sempre perdendo as guerras, parece até de propósito. Não seria interessante perder uma guerra para entrar em outra e assim continuar vendendo suas armas?
    Quando eu digo que os EUA estão sempre fabricando terroristas para serem combatidos depois, não é coisa que surgiu da minha cabeça. Ou melhor, surgiu, após muita leitura e análise. Desde que comecei esse curso, muitos amigos indicam livros, emprestam livros, e quanto mais leio, algumas certezas e muitas dúvidas aparecem. Num desses livros, do correspondente Patrick Cockburn, há o e-mail de uma amiga dele (síria, sunita), depois que seu bairro, em Mosul, foi bombardeado pela aviação iraquiana. O jornalista deixa claro que sua amiga tem todas as razões para não gostar do ISIS. Reescrevo a mensagem na íntegra, pois mostra como os sunitas iraquianos passarão a enxergar o governo de Bagdá:

   “O bombardeio foi executado pelo governo. Os ataques visaram bairros totalmente civis. Talvez desejassem atingir duas bases do ISIS, mas nenhuma das rodadas de bombas acertou os alvos. Um dele é uma casa, ligada a uma igreja, onde vivem homens do ISIS. Fica próxima ao gerador do bairro e distante 200 a 300 metros de nossa casa. O bombardeio apenas feriu civis e demoliu o gerador. Desde ontem à noite, não temos mais eletricidade. Escrevo de um aparelho na casa de minha irmã, que está vazia. O bombardeio do governo não atingiu nenhum homem do ISIS. Acabo de ouvir de um parente que nos visitou para saber que se estamos bem, depois daquela noite terrível, que, em razão do bombardeio, jovens estão juntando-se ao ISIS, às dezenas ou centenas, porque cresceu o ódio contra o governo, que não se preocupa com a morte de sunitas. As forças do governo foram para Amerli, uma vila xiita circundada por dezenas de vilas sunitas, embora Amerli jamais tenha sido tomada pelo ISIS. As milícias do governo atacaram as vilas sunitas que a circundavam, matando centenas, com auxílio dos ataques norte-americanos”.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

O Nobel de Bob Dylan


   Quando vi a notícia sobre o Prêmio Nobel de Literatura ser de Bob Dylan, minha primeira reação foi de desaprovação. Claro que é uma escolha polêmica dar um prêmio de literatura para um compositor. Sim, ele escreve letras, ele é um poeta, mas sua comunicação é pela escuta e não pela leitura. As pessoas não leem Bob Dylan, as pessoas o ouvem. E olha que estou deixando minha admiração pessoal pelo cantor/compositor bem de lado. Gosto tanto de Bob Dylan, que aos 11 anos, lá nos idos de 1982, meu primeiro cachorrinho foi batizado de Bob, em homenagem ao músico.
   É indiscutível sua importância musical e política. Suas letras pacifistas influenciaram uma geração contra guerras. Suas letras são simples e a simplicidade é a melhor forma de atingir pessoas. Os que escrevem cheios de metáforas, querendo mostrar o quanto seu vocabulário é vasto, acabam deixando os leitores inferiorizados, sentindo-se meio “burros” e, pior, muitas vezes não conseguem nem ser entendidos. Porém, esses livros rocambolescos, não deixam de ser literatura. Assim como as letras de Bob Dylan também são.
   Há acadêmicos dizendo que isso é sinal dos tempos, que mostra uma inovação no Nobel, que está acompanhando as mudanças na comunicação. Estou muito longe de ser conservadora, inclusive na linguagem, que muda conforme as gerações. Adoro palavras inventadas, que de tanto serem usadas, são incorporadas no português. Mas, se continuar assim, logo teremos “escritores de internet” ganhando prêmios literários. E por que não?
   Mesmo gostando tanto de Bob Dylan e reconhecendo todo o seu mérito e valor, esse Prêmio me incomodou bastante. E por que incomodou? Porque é praticamente um anúncio do fim da Literatura. Porque todas as pessoas leem menos. Eu leio muito menos. Antes eu lia um livro por semana. Agora não lembro qual foi o último livro que li inteiro. No momento estou lendo A Origem do Estado Islâmico, junto com mais dois, não consigo terminar nenhum, por mais interessante que sejam os temas, por mais que seja necessário para o curso que estou fazendo (tema para outro post, porque o assunto é vasto). Não sou conservadora, mas adoro Shakespeare, Saramago, James Joyce, Kafka, Adélia Prado, Cecília Meirelles, Edgard Alan Poe, Carlos Drummond e Fernando Pessoa. Gosto de quem escreve livros. Gosto de livro reportagem. Gosto de clássicos, assim como realismo fantástico.
    Talvez seja mesmo um prenúncio de que literatura em breve não existirá. E a brevidade do tempo, na história da humanidade, pode ser 100 ou 200 anos. A leitura de livros está escassa. Acho lindo minha filha de 14 anos me pedir livros de presentes, me dar dois livros de dia das mães (ainda não terminei nenhum), acho lindo quando vejo pessoas lendo no metrô ao invés de olhar para o celular. Estamos num momento em que ler é coisa de gente cool. Ainda há pessoas que ouvem, mas também é cada vez menor o número, porque a maioria só ouve o que lhe convém. Então, um Prêmio Nobel de Literatura para alguém que canta palavras tão contundentes não seja tão negativo. Seja um presságio para o que estar por vir. Seja um tapa na cara do mercado literário, como bem disse o querido Wilson Bispo, uma pessoa que lê e escreve muito. 
   Talvez seja uma abertura para que Bono Vox, Neil Young, Paul Mcartney, Chico Buarque, Gilberto Gil, Jorge Mautner e tantos outros compositores recebam prêmios por suas letras e não por seus livros.
     Talvez eu esteja ficando velha e muito cansada.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Mães contra o Estado

   Dia desses estava relendo o post Nem Puta Perde a Guarda de Filho, já que é por ele que dezenas de mães chegam até aqui. E relendo, além de achar que o texto deva ser melhorado, percebi que deve também ser reeditado. Lá conto como é torturante repetir a mesma história, quase todos os dias, para pessoas em geral e psicólogos, advogados e jornalistas, em particular. Que no início pensei que fosse única, mas já conhecia mais de 10 mães na mesma situação. Passados alguns anos, muitas procuram desesperadas algum tipo de auxílio e se encontram naquele texto. Cada julgamento, cada passagem por fórum, ficar presa na esquizofrenia do sistema judiciário, ficar afastada do filho judicialmente, perder saúde, dinheiro, emprego, terminar relacionamentos, não terminar projetos. Viver num looping surreal infinito. 
   A reedição seria que agora não são mais de 10. Conheço mais de 50 mães e tenho conhecimento de mais umas 50 que perderam a guarda do filho. Mas tudo parece ter piorado muito com o a instauração da Lei de Alienação Parental. Os homens estão se beneficiando desta Lei. E não é mais apenas por vingança ou para parar de pagar pensão. Também para continuar abusando sexualmente dos filhos. Resumirei tentando explicar o inexplicável: As mães, primeiro incrédulas, depois em desespero por perceber o abuso, afastam os pais pedófilos. Esses pais entram na Justiça rapidamente e conseguem a guarda dos filhos. E então as mães ficam meses, anos, sem ver os filhos. E o "Estado", aquele que deveria proteger, entrega o inocente para os monstros. Comecei a desconfiar de um tremendo esquema de pedofilia entre o Poder Judiciário e Parlamentar. Não tenho provas, mas tenho convicção.
   Outra mudança na minha saga é que não é mais torturante repetir a história. É muito desgastante, sim, mas já consigo rir até da passagem pelo Fantástico, com a voz assustadora de Cid Moreira dizendo que eu sofria de graves problemas mentais. Baseado em que mesmo? No que a outra parte disse. "Ah, Rede Globo, faz tempo que não acredito em nada do que você mostra ou defende".
    Agora estou naquele limiar entre minha história e as outras, praticando o distanciamento. Quero ouvir mais do que concordar. Me vejo trabalhando nisso. Com muito envolvimento, mas sem tanto sofrimento. Estou na fase em que sofro mais pelos outros do que por mim e minha filha. O que foi feito, foi feito. Não quero deixar que continuem fazendo. Apenas isso.

    A Rede Materna ficou tão grande, tão interligada, que a querida Flavia Werlang me falou de uma mãe que estava tão mal que nem conseguia visitar o filho. Descobrimos que era a mesma mãe que conheci há mais de um ano. Uma foi escrevendo para outra, que colocou outra da mesma cidade na história e de repente essa mãe no estado de negação, em que o próprio "psiquiatra" disse ser melhor não ver o filho (!), encheu-se de coragem, cercada de amor e foi. E conseguiu abraçar muito o filho. E não voltou tão vazia. Mais do que lastimar a perda, temos de valorizar os ganhos.
    Foi o que fez a doce Lívia Guimarães, que após quase 4 anos sem ver os filhos, passou uma noite com eles. Não parava de olhá-los dormir. Quantas noites passamos em branco pensando em como, onde e com quem eles estariam? E como é maravilhoso passar uma noite acordada vendo como eles dormem. E perceber que o tempo, a distância, a amargura, a luta inglória, nada foi capaz de diminuir o tamanho deste amor. 
     E cada mãe que conheço, cada nova voz, cada sotaque vindo de todas as partes de tantos brasis, me derruba e me levanta. Muitas noites não durmo por aflição. Este ano uma mãe se matou. Todas nós pensamos em morrer, em algum momento, porque se não é fácil seguir na luta pelo direito da maternidade, é mais difícil desistir dela. Não há como se conformar com um sistema judiciário que nos tira um direito. Então temos de lutar. Mas daí acaba a saúde, o dinheiro, a dignidade, a força. Não há como desistir de um filho. É como desistir da vida. E foi isso que aconteceu com uma mãe. Ela desistiu de lutar pelo filho, desistindo assim da própria vida.

    Parei um pouco antes de continuar a escrever. Não quero que a emoção me tire o sono de novo, me aperte o peito, me faça chorar. Quero ser prática. O que vejo nessas mulheres é uma força descomunal em continuar. E vejo tanta beleza. São todas muito lindas, com sorrisos que iluminam o olhar triste. Com olhares profundos que escondem sorrisos irônicos. Todas enlouqueceram um pouco. Todas tornaram-se seres mais desconfiados, com um tanto de amargura, com tantos altos e baixos, que levam a vida numa gangorra emocional e financeira, mas não perdem a ternura. Não deixam uma irmã sem resposta. Me incluo nisso tudo. Temos tanto em comum apesar de nossas distâncias geográficas, criações, sotaques, formações, DNA. Porque a vida que levamos após o início do processo é praticamente idêntica. 
    Cansamos de brigar com a outra parte. Isso é peixe pequeno. Nossa briga é coisa de cachorro grande. Pessoas são pessoas e algumas se transformam, todas decepcionam, casais brigam, uns são mais vingativos, outros são passivos e assim sempre será. O que não pode é um Sistema pago por nós, acabar com a nossa vida. Chego a pensar que esses processos infindáveis só servem para alimentar a máquina. Pagamos peritos, pagamos técnicos, pagamos advogados, alguns pagam juízes (não tenho provas, mas tenho convicção). E tudo isso para quê? A tal Lei de Alienação Parental existe, mas percebo que o Estado é o que mais aliena. Segue a Lei
www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/...

  No Art. 2, parágrafo único, existem as seguintes cláusulas:

II - dificultar o exercício da autoridade parental; 
III - dificultar contato de criança ou adolescente com genitor; 
IV - dificultar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar; 



   Ora, o que fez o sistema judiciário esse tempo todo além de dificultar o exercício da minha autoridade parental e destas mães? Nos impedem de ver nossos filhos até que as perícias, que demoram meses e até anos para serem marcadas, fiquem prontas. Demora anos para marcar audiência para regulamentação de visitas. Para que perder nosso precioso tempo com inúteis audiências de conciliação, sendo que qualquer acordo entre as partes pode voltar atrás a qualquer tempo?

    Pois é Estado de Direito, somos muitas mães espalhadas pelo Brasil para provar com muita convicção que é você, Estado, seu sistema falido e seus profissionais mofados, o causador de nossos danos e de nossos filhos. E sabe, Estado, tem advogada que também não te aguenta mais e podemos mover uma ação conjunta contra você. Podemos até morrer antes do fim desta ação, mas vai ter muita matéria, muita audiência, muito barulho. E se um dia nossa indenização milionária chegar e estivermos mortas, nossos filhos, as maiores vítimas, poderão usufruir das suas migalhas.