terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O que Sei da Maçonaria por Meu Pai

    Aproximando-se o primeiro aniversário de morte do meu pai e o final de mais um ano, cada vez com mais falta de crença e esperança, começo a mexer em caixas antigas, feridas abertas, ácaros acumulados. Então achei uma caixa cheia dos livros preferidos de meu pai. Entre eles O Papa Negro, que era seu livro de cabeceira. Junto com este, várias raridades sobre simbologia maçônica, suas histórias, muitos textos grifados por meu pai, Abel Correia Mendes, um orador da maçonaria, que escrevia discursos para sua Loja. 
    Há pouco mais de 2 anos, Sérgio Raia, irmão de Simone e que conheço desde muito criança, começou a conversar sobre maçonaria e perguntou se eu tinha O Papa Negro, de Ernesto Mezzabota. Certamente, pois lembrava de meu pai constantemente lendo esse livro, mas procurei o máximo que pude e nada de encontrar, na falta dele, entreguei uma caixa de outros livros incríveis para o Sérgio, pois sabia que meu pai adoraria que ele os tivesse, porque nunca escondeu conhecimento e porque Sérgio é uma pessoa ávida por leitura, quase um compulsivo, assim como era meu pai. Agradeceu muito e disse que alguns exemplares ele nem poderia  ler ainda, já que não chegou no grau para a leitura, era tido ainda como um leigo. Sabia que seria por pouco tempo, pois sua rapidez e entendimento logo o "elevariam" alguns graus.
   No último sábado encontrei Sérgio Raia numa festa, falamos sobre esse tema, agora ele já tem o tal livro, mas disse que é raridade, não existe mais na praça e para eu guardá-lo sempre, como um tesouro. Sim, já tinha pensado nisso, mesmo quando eu terminar de lê-lo, irei guardar, porque ali tem todas as digitais de meu pai, tem seu pensamento, seus grifos, talvez seja o maior tesouro que ele me deixou. Então comecei a pensar no que foi a maçonaria na vida dele e em muitos acontecimentos que ficaram nebulosos por conta do Mal de Alzheimer que o acometeu, não sabemos ao certo desde quando.
    Meu pai está presente em todas as lembranças da minha infância. Me levava na escola, pegava, levava na natação e buscava. Nos finais de semana me levava na praia, tentava me ensinar a nadar e mergulhar. Quando comecei a competir, acompanhava a equipe até onde dava. Lembro de ter orgulho daquele homem inteligente, bonito, simpático e falante, tinha sempre resposta para tudo e quando não tinha, procurava. Não existia internet, muito menos google. Foi ele quem deu a ideia para eu ficar sócia da biblioteca municipal. Teve muitos empregos diferentes, por isso morei em muitas casas também. Mas nos anos 80 firmou-se como comerciante e logo começou a frequentar a maçonaria. Comecei a dividir meu pai com homens de smoking e seus encontros misteriosos. Como os livros ficavam expostos na estante, eu podia folheá-los quando quisesse.
    Primeiro eu questionava o machismo da Ordem Maçônica. Por que só homens? Meu pai dizia que era uma regulamentação de quando a Ordem inicou, dizendo que "as pessoas admitidas como membros de uma Loja devem ser homens bons e de princípios virtuosos, nascidos livres de idade madura, sem vínculos que o privem de pensar livremente, sendo vedada a admissão de mulheres assim como homens de comportamento duvidoso ou imoral". Ora, mas os regulamentos existem para serem modificados, mulheres também não votavam no início do século XX. De certa forma, as esposas dos maçons participavam, organizando eventos beneficentes e sociais. Ainda achava muito pouco,  porque mulheres não podiam decidir? Serem oradoras? "A verdade, filhota, é que poucas mulheres se interessariam por estas reuniões, infelizmente, são poucas que pensam como você". Ah, meu pai, sempre pragmático.
    Só sei que ele lia e falava cada vez mais. Talvez já fosse sua luta contra o alzheimer. Lia três vezes o mesmo livro para entender o que antes conseguiria numa única vez. Nunca saberei a resposta. Sou um tanto leiga no assunto, apesar de meu pai ter sido maçon por muito tempo, porque nunca frequentei mais do que jantares de famílias, o que sei é apenas o que o didático Abel me passou e o que pude entender dos livros da Ordem que li.
    Entendi que a maçonaria tem várias missões, sempre voltadas para o bem e a caridade, como "fazer amigos, aperfeiçoar suas vidas, dedicar-se às boas obras, promover a verdade e reconhecer seus semelhantes como homens e irmãos". Eu pensava desta forma, era assim que queria seguir minha vida. Outro ponto interessante é que participavam da Loja Maçônica homens de todos os credos, raças e profissões, haviam os mais abastados e os nem tanto, mas todos eram considerados pessoas virtuosas, de boa índole, além de moral e intelecto elevados. Percebia que estavam lá médicos, juízes, políticos, comerciantes, empresários e outros cargos importantes da cidade. Poderia ser uma rede de influências, ali eram decididos alguns dos rumos políticos e econômicos da região. Mas qualquer pessoa, se fosse do sexo masculino, poderia participar. Com exceção desta regra, que se existe, pode ser quebrada, concordava com muitos tópicos que li, ainda na adolescência.
    Aos poucos meu pai foi se perdendo na sua leitura, deixando de retornar recados dos amigos, faltando às reuniões e com seus compromissos. Quando eu o questionava sobre o abandono de algo que lhe fazia tão bem, dizia estar decepcionado. Tentei descobrir o motivo de sua decepção, mas só poderia vir dele a resposta e essa eu nunca tive.Pensei que estivesse com depressão. Hoje percebo que ele se decepcionava com sua falta de memória e concentração, por não conseguir mais ser o orador aplaudido pelos seus amigos... muitos desses amigos compareceram ao seu enterro, alguns pensavam que meu pai já estivesse morto. O que não deixa de ser uma verdade. Seus amigos pararam de procurá-lo, claro, ele parou de ligar antes, faltou, deixou de participar... se eu que sou a filha inteligente e com tanta informação, demorei alguns anos para pensar na possibilidade de Mal de Alzheimer, imagine esses homens tão cheios de responsabilidades, com famílias e seus próprios problemas? Meu pai seria só mais um rebelde que abandonou a maçonaria...
    
    Certa vez aluguei o filme A Liberdade é Azul, meu pai assistiu comigo e pediu para eu alugar os outros dois da trilogia, pois me disse que a finalidade da maçonaria era construir uma sociedade humana, com base no amor fraternal e na esperança e ter sempre tolerância, virtude e sabedoria. Também investigar a verdade constantemente, sempre dentro da tríade Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Dizia que dentro dos princípios da Ordem, da razão e da Justiça, o mundo alcançaria a paz universal. Muitas vezes achava que ele estava era viajando, que a paz universal é tão utópica que chega a ser juvenil. Meu pai era mesmo um teen spirit, quando vimos juntos A Fraternidade é Vermelha, chorou e disse que era o mais belo dos três filmes (tem também A Igualdade é Branca). 
    Penso que  em Ribeirão Preto não deve ser diferente, penso que muitos juízes, de todas as Varas da cidade, devem frequentar alguma Loja Maçônica, assim como o avô da Dora, José Hércules Golfeto, um médico e ex-professor universitário. Penso que assim como em todas as cidades, homens influentes frequentam a maçonaria e que muito do que acontece em prefeituras e fóruns pode ser decidido antes, em encontros maçônicos. E se o que penso for verdade, imagino que esses juízes conversem sobre o processo envolvendo Dora. Se forem mesmo maçons, devem ser homens de virtude, moral e intelecto elevados, sendo juízes devem ser justos. É virtuoso e justo privar uma filha de ter contato com sua mãe por quase dois anos? 
   Queria mesmo que essa fosse uma das minhas perguntas que tivesse resposta e que, alguém de moral elevada, com amor fraternal, focado na paz universal, liberdade e igualdade, pense que mais do que adultos errantes, há uma criança inocente sofrendo as consequências da morosidade da Justiça e da intolerância dos homens. Que saudade do meu pai, que falta sinto de Dora.

14 comentários:

  1. Este é o post mais lindo do blog, e olha que já o li inteiro. O teu pai deve ter sido realmente alguém muito especial. Primeiro, por ter educado você, e, segundo, por ter inspirado este texto. Que este amor toque os corações endurecidos de Ribeirão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sergio. Sim, meu pai era muito especial, me ensinou a sempre falar a verdade, por mais absurda que parecesse, sempre me incentivou a fazer o que eu gostava, mesmo qdo ele não gostava muito. E quando gostava, aplaudia de pé! Era um pai que realmente amava sua filha. Quanto mais penso nas atitudes do pai e do avô de Dora, mais amo meu pai. E que este amor toque os corações endurecidos...

      Excluir
  2. Saudade do seu pai, a melhor viagem da minha vida, eu gravida, solteira, no apto do Guaruja, estavamos a mesa e seu pai falou que eu era sempre bem vinda, que minha gravidez era uma bençao e pobre de quem tinha preconceito com minha gravidez, mesmo eu sendo solteira e sua mae, endossou, amei, me sentia amada na sua casa, querida e acolhida, grande pai foi o seu.

    ResponderExcluir
  3. Nossa nem consigo escrever de tão emocionada...vejo, sinto Seu Abel aqui na minha frente, alto, forte, inteligente, sempre presente, lembro todas as vezes que como muito (porque hoje nem posso comer tanto assim, mas teve uma época linda feliz que eu comia muito) e ele dizia: adoro qdo a Simone vem porque posso comprar uma pizza grande que ela come comigo, lembro também de participarmos de pizzadas da Ordem para arrecadar fundos...rodízio de pizza, ele do meu lado pra comermos bastante...todas as vezes que buscava a gente no Centrinho, a primeira vez na casa de Boiçucanga, nosso passeio de barco até as Ilhas, quantas lembranças vieram a minha mente e ao meu coração...amiga te amooo tanto, amo tanto D.Laura e dói no meu coração ver vc passando tudo isso, amo Dora, sentimos tanta falta dela, isso tudo é uma história de horror, que espero tenha um final feliz onde os guardiões do bem lutem e libertem as pessoas de bem do grande mal que acoberta o mundo: A FALTA DE AMOR AO PRÓXIMO!!!! TE AMO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ontem uma religiosa me disse para ter fé, que Deus irá operar um milagre em minha vida e trazer minha filha de volta. Ora, milagre não é algo considerado impossível de acontecer? Então o milagre já aconteceu, que foi ter Dora sempre levada de mim, afinal, quem já viu mãe perder guarda de filho, né? Só se for criminosa, drogada, violenta... e mesmo assim tem direito de visita... eu nem isso tenho, então esse foi o milagre. O horror é o milagre! Mesmo que Dora volte agora, entre por essa porta escoltada por PMs (pq é assim que ela vai e vem para o pai e para a mãe), já não adianta, a injustiça já foi feita e nada reparará os erros, nada. Ñão há final feliz depois disso tudo, porque o final é a morte... Também te amo!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Boa Noite, Leio sempre seu blog e na maioria dos textos me emociono muito, sou extremamente admirada por toda força que você tem para lutar pela Dora, Não perca a fé, você diz o Milagre ser um horror, Eu não sou nenhuma religiosa absoluta mais acredito sim em Deus e peço pela volta de Dora, acredite em milagres... os homens são falhos e injustos... mais Deus não...Ele trará Dora de volta acredite nisso!...Abraços

      Excluir
    4. Obrigada Ariane, nao quis dizer que o milagre é horrível, mas é que ter a filha nao pode ser considerado milagre, é o natural, né? Hoje aconteceu tanto absurdo que nem sei por onde começar a escrever. Bj

      Excluir
  4. Dri, parabéns !!! Que texto lindo amiga !!! Aplausos...de pé !!!!! Show.....Lindo mesmo....adorei.....eu conheci o teu pai...Tio Abel.....lembro dele, nas competições, na arquibancada do Saldanha, ali, torcendo por vc, por mim, por todos....teu pai era um Homem lindo, de um coração enorme.....ele levava a gente na praia, ia buscar...sempre com um sorriso no rosto...de bom humor.....saudades dele Dri......onde quer que ele esteja agora, sei que ele estará sempre com vc, te iluminando, dando força para vc continuar nessa batalha....e sei que ele tb está com a Dorinha, dando força para ela não desistir nunca......Teu pai era um Homem maravilhoso, de uma grande sabedoria e tenho certeza que ele tem orgulho de ter uma filha que nem vc, pois muito que vc aprendeu, muito do que vc é hoje, foi ele que te ensinou.....e tb tenho certeza que ele tem orgulho de ser avô dessas netinhas lindas.....Caráter, dignidade, sabedoria, respeito, amor não se compram Dri, isso se aprende e vc teve a felicidade de ter aprendido tudo isso com o Seu pai, Seu ABEL.....coisa que do outro lado, mesmo tirando a Dora de vc, aquela família não teve e nem terá, pois eles não tiveram essa pessoa especial ao seu lado...., portanto, essas qualidades tb sei que a Dora sempre irá carregar com ela, pois isso tudo ela aprendeu com vc, Dri....Amiga, força sempre.....vc é linda e eu acredito que isso tudo, um dia, vai acabar e vc voltará a ter a Dorinha ao seu lado...Parabéns pelo texto, vc a cada dia me surpreende mais, pois vc tira força de onde não tem e continua na sua batalha....continue assim e nunca desista...acredite, isso vai acabar e vcs serão muto felizes.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juli, fico tão feliz em saber que meu pai deixou essas lembranças não só pra mim, mas pra todos que participaram da minha infância e adolescência. Quis o destino que ele já fosse perdendo a lucidez em vida, despedindo-se lenta e dolorosamente, tenho certeza de que se tivesse continuado são, nada disso teria acontecido, ele teria dado um jeito de resolver esse drama, porque assim como eu, nunca gostou de protelar nada, sempre quis resolver tudo rápido, porque a vida é muito maior do que mágoa, rancores, vinganças e picuinhas... colocar o ego acima da felicidade de um filho é algo inescrupuloso demais...

      Excluir
  5. ahh... queria ver uma foto do seu pai!

    Pena a Dora não ter um pai assim, tão perfeito, um pai que daqui uns anos ela possa ter orgulho! NAO TERÁ NUNCA UM BOM PAI!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu pai não era perfeito, era apenas um pai que amava muito sua filha, que ensinou bons princípios... bom, meu pai podia não ser um homem perfeito, mas como pai, creio que era mesmo perfeito. No blog não tem fotos, mas no livro pode esperar por fotos, sentenças, documentos oficiais, emails... afinal, é tudo verdade mesmo...

      Excluir
  6. Me emocionei com o seu texto... paz, luz e harmonia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Alvaro, as coisas já melhoram um pouco... muita paz, luz e harmonia pra vc também!

      Excluir