quinta-feira, 17 de maio de 2012

"Nem Puta Perde a Guarda de Filho"

   Estava falando hoje com alguém que não conheço sobre todo o processo da guarda de Dora. Incrível como desde que esse processo começou (2005), tenho que repetir a mesma história, desde quando fiquei grávida, a placenta prévia, a ausência da outra parte, depressão, como a outra parte saiu atrás de falsos testemunhos, como ludibriou a Justiça com a tal "fuga para o Chile", enfim, tenho que detalhar tudo para psicólogos que não procurei, não conheço, não sinto empatia, para novos advogados, para jornalistas, psiquiatras. Isso é tortura psicológica pura! É lembrar a desgraça que alguém inexpressivo transformou minha vida. A lição aprendida é que jamais devemos subestimar o poder de vingança do inimigo. E que quanto mais carinha de inofensivo e bonzinho, maior o grau de psicopatia.
   E sempre repetindo a mesma história, com toda minha lucidez e memória prodigiosa (deixo a modéstia de lado nesse quesito), repito que dói muito ouvir de todos a mesma frase: "Nem puta perde a guarda de filho!". Primeiro porque essa frase é carregada de preconceito, colocando a prostituta abaixo de todos os outros seres, como se puta fosse pior do que assassina, ladra, bandida. Segundo porque me coloca abaixo dessa categoria. 
   Então preciso explicar, com toda a calma e como a professora de Filosofia que já fui (conto essa em outro post), que não é bem assim. Conheço ao menos 10 mães que não são putas, que trabalham, pagam impostos, não são drogadas e gozam plenamente de suas faculdades mentais, mesmo assim perderam a guarda dos filhos. Mesmo assim ficaram proibidas de vê-los!
   Não, não é assim, nunca foi. A guarda não é sempre da mãe. A mãe fica com a guarda quando o pai não quer a guarda. Consegue a guarda quem mente mais, quem é mais frio e calculista e tem mais dinheiro. Se um pai quiser disputar a guarda e tiver mais dinheiro, consegue. Se for vingativo e estiver cercado por família doentia, melhor ainda. Se estiver numa jurisdição corporativista, bingo! Pobre mãe que vai passar anos sem ver o filho. Pobre mãe que vai ouvir sempre: "Mas nem puta perde a guarda do filho". Pobre filho que perde o direito de ter mãe!
   Outra lição que aprendi é que todos somos culpados até que se prove o contrário. A máxima de que todos são inocentes até que se prove o contrário só vale para o Direito Criminal!

  Também fiquei sabendo de mais dois casos estarrecedores de pais que conseguem a guarda e levam os filhos para outro País. Antes de mencioná-los vou entrar em contato com as mães. Um caso eu posso mencionar, o da brasileira Adriana Botelho, que não sabe nada de sua filha Maria Clara desde 24 de dezembro de 2011, quando o pai português a levou para Portugal! Sua história neste blog http://justicamariaclara.blogspot.com.br/2012/04/caso-maria-clara-e-caso-sean-dois-pesos.html?spref=fb

  Me surpreendeu a repercussão de meu último post Nosso 11 de Setembro, em que lembro o que fazíamos eu e Dora (na minha barriga) naquele dia. É uma analogia sobre o terror. Sim, o que sofro e todas essas  mães sofrem é terrorismo. Na minha visão a guerra do terror é aquela em que não esperamos ser atacados. Onde jogam aviões e bombas em civis, em prédios onde há pessoas de várias partes do mundo trabalhando, em metrôs. As guerras "comuns" são em campo de batalha, com soldados preparados para guerra, que sabem que podem morrer, com a família consciente disso. Ser atacada por um homem que é o pai do seu filho, alguém que você dividiu cama, mesa e banho é o terror. É covardia igual de terroristas! No meu caso específico o terrorista é tão covarde que foi se esconder na casa dos pais... foi se proteger lá. Afinal, sou tão perigosa...
   Também mudei a forma de pensar depois disso tudo que tenho passado. Como disse ontem para um psiquiatra que divide consultório com José Hércules Golfeto, avô de Dora e mentor dessa trama toda: "Infelizmente alguns inocentes pagam pelos culpados". A vida é assim, o mundo também. Mas se esses médicos, psiquiatras, psicoterapeutas dividem espaço com esse homem que é psiquiatra infantil e faz isso com a própria neta, de certa forma são coniventes. Eu pedi para que se reúnam com esse avô e o convençam a deixar que eu fale ao telefone com Dora. Já com o texto pronto, o médico (que não quis me revelar o nome) respondeu que o avô não pode fazer  nada, que o problema é meu e do "rapaz". Ora, mais uma vez, onde Dora mora mesmo? Na casa de quem? Quem é o dono do telefone?
   Só posso lembrar da música e do filme que marcaram minha vida e seguir nessa batalha inglória.
   http://youtu.be/h4wemO4Quu0
    

26 comentários:

  1. Pobre "outra parte" aquela que se intitula como família GOlfeto. Se apegaram em rancor, ódio, fraquezas, maldizeres... compraram a todos com dinheiro e prestígio e acobertaram o fracassado e frágil filho que se intitula PAI. Estes serão os amargos, doentes e sofredores de amanhã que num futuro próximo estarão fadados a morerem tristes e melancólicos. Não é desejo meu não. É lei física (3ª lei de Newton - Ação e Reação) mas istodeve fugir da compreensão de todos da "outra parte". Saúde pra vc e Dora, Adriana.

    ResponderExcluir
  2. Adriana,infelizmente estamos cerceadas de qualquer contato com as nossas filhas por dos motivos. Primeiro porque a justiça brasileira é cruel, arbitrária e muitas vezes incapaz de perceber qualquer direito além do que está escrito nos manuais.No meu caso, deparei-me com uma juíza substituta Ana Carolina Dias Fernandes, que ao conceder uma liminar de antecipação de tetela ex officio em um caso que envolve dois países (Brasil-Portugal)numa ação de Busca e Apreensão de menor, ela meteu o pé na poça!A liminar tem caráter precário por natureza, portanto, quando no dia seguinte essa mesma liminar foi cassada, minha filha já estava longe..em Portugal. O fato é que o Brasil não tem jurisdição em Portugal, e por conta disso embora exista uma decisão ordenando o retorno de MARIA imediato ao Brasil, ela continua lá em Portugal. Por isso afirmo veementemente que essa juíza foi cruel, arbitrária e incompetente( lato sensu)e acho lamentável que existam mais magistradas como ela barbarizando no judiciário, prejudicando as pessoas que têm o azar de serem julgadas por ela.Se bem que no meu caso, sequer houve audiência,não tive oportunidade sequer de defender-me.
    E em segundo lugar, e não menos importante, Adri, é que os genitores das nossas filhas são psicopatas,misóginos e egoístas. São dois irresponsáveis, que usam as crianças como um instrumento de realização de suas vinganças pessoais contra nós.
    Lamentavelmente, nossas filhas estão convivendo com essas pessoas, e o que me preocupa é o fato de futuramente minha filha repetir esses comportamentos doentios do pai. Sinto revolta de saber que carreguei a minha filha no ventre por 9 meses,e uma justiça PROMISCUA como essa, tira a minha menina e entrega-a para uma pessoa desequilibrada, ardilosa e leviana como o genitor de MARIA.
    Reletivamente ao título do seu texto, "Nem Puta Perde a Guarda de Filho", permita-me complementar. "Antes PUTA, que coitadinha".
    Ps.: Hoje lamentavelmente fazemos parte do grupo das "coitadinhas".
    Mas ainda há esperança para nós,acredite!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, quisera eu ter a mesma coragem de vocês de acreditar que ainda existe esperança, estou a 13 dias da audiência pela guarda do meu filho, mas estou desesperançosa, ele tem uma madrasta que está fazendo de tudo pra me tirar a paz, tira fotos dela com meu filho e coloca nas redes sociais, onde escreve, meu filho, meu bebe, assina o caderno dele, e até comparece na escola dele como mãe, e o pai dele, também declaro guerra contra mim, e usam do meu filho pra me fazer chantagem, muitas vezes ja pensei em desistir, abandonar tudo, mas alguma coisa dentro de mim que me impulsiona, sei la é complicado, deve ser assim que se sentem os condenados a pena de morte, quando estão aguardando o dia da execução, é uma dor tão grande que dilacera o peito, minha esperança diminui a cada vez que vejo meu filho indo pra casa, me deixando, é como se estivessem tirando uma parte de mim, e quando ele fala com grosseria comigo, igualzinho o pai dele faz, sinto morrer por dentro, é como se ele não me amasse...não sei se no lugar de vocês, eu teria essa força pra reagir da forma que vocês reagiram, onde vocês buscaram força pra continuar vivendo?.. eu sou uma pessoa que acredita em Deus, mas não sei como e nem o que farei, caso a guarda fique com o pai, sei que ele nunca irá facilitar em nada pra mim... se agora que nem tem a guarda, ja age como se eu fosse ex mãe, se for dado o poder de ter a guarda, bem, vamos deixar nas mãos de Deus, que ele abençoe vocês, e que, logo a filha de vocês estejam de volta aos seus braços, a suas vidas... felicidades mil a vocês..

      Excluir
    2. Mari, só vi sua mensagem agora e acho que já foi sua audiência! Por favor, me escreva por email mendes_jornalista@yahoo.com.br sobre eu e essas mães maravilhosas que conheço aguentarmos... tem dia que a gente não aguenta e fazemos tipo uma rede de apoio, nos consolando mutuamente... sinto meu peito dilacerado, um imenso vazio, como se eu vivesse duas vidas, uma feliz, outra muito triste. Fiquei mais de 2 anos sem ver minha filha. A Dri Botelho completa dois anos nesse mês... não sei.. sou ateia, não acredito em Deus, em outras vidas e talvez por isso minha ansiedade e angústia sejam ainda maiores, porque só tenho esse tempo, essa vida e ela está indo embora mais rápido, de tanta dor... me escreve, espero que tenha dado tudo muito certo com vc!

      Excluir
  3. Adriana Botelho,

    Sim, alguns magistrados são incompetentes, por isso devemos recorrer à Corregedoria. A lentidão dos processos não podem continuar devastando vidas. O que será de nossas filhas? Não sabemos o que estão falando para ela, com quem andam, quem são seus amigos, como estão suas fisionomias. E tudo dentro da Lei! Não podemos imaginar que explicações estapafúrdias estão dando às nossas meninas por esse afastamento imposto, esse exílio forçado! Sinto sua dor, que é ainda maior pela distância. Eu pude ir na porta da casa onde minha filha está (apesar que chamaram a polícia), não fui na porta da escola porque não quero constranger Dora. Afinal é certeza que o infame Jonas Golfeto irá chamar polícia e fazer BO. Pra quem chamou a Globo para filmar a busca e apreensão da própria filha, isso não é nada... é tão fácil ver quem não se importa nessa história toda... mas os juízes, como vc disse, os juízes e todo esse sistema falido, não enxergam além de seus manuais... Fazem Busca e Apreensão de Menor, como se fosse objeto, termo desumano... Busca e Apreensão!
    Esses pais que não se importam da exposição das filhas são uns mentecaptos e só a Justiça não vê, nem as famílias.
    Você está ha um oceano de Maria Clara, por isso sei da sua dor tão grande quanto a minha, mas com distância muito maior. Mas tenha certeza que nós estamos sempre no pensamento e no coração de nossas meninas...

    ResponderExcluir
  4. CORNO RICO E ADVOGADO ENTAO... E UM PROBLEMA !!!!!pIOR MUITO PIOR QUE PUTA.eu parei na Busca e apreensao, e ele enviou a outra filha para consolar a minha filha....parei, enlouqueci, fiquei doente , perdi a coisa que mais amei na vida pela INCONSEQUENCIA DE UMA JUIZA COMPRADA DE TERESOPOLIS , na epoca. agora ela se foi e se Deus quiser para sempre.para o lixo da baixada .
    Minha filha cresceu e hj fala comigo aos sabados.
    Nunca mais recuperei nada de sentimento , nem de propiedade, cuja pousada me foi arrancada e dada para minha empregada.ta la aquela coisa ate hj, mas a pousada ta acabando, ate antes do que eu imaginava.
    resumindo . quem rasga dinehiro e LOUCO.
    ma se advogado ne?


    ResponderExcluir
  5. Olha perdi a guarda para minha mãe a dez anos, pago para visitar, e vivo de chantagens.
    Não acredito na justiça, vejo que quem mente mais vence!
    Testemunhas falsas, uma mãe que fala ao Juiz que não consegue me amr...
    Vivo nove anos um terror psicológico, e que a justiça alega este ser hoje o meu motivo de não conseguir tirar a guarda de meus filhos.
    Um deles ela deu, para o pai, que hoje está preso e a guarda parou na mão de sua conjuge, que é estranha para mim....
    O que falar disso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente não há o que falar. O porteiro do prédio em que eu morava, Arnaldo, para quem eu dava até os vinhos que ganhava de empresas no final do ano, foi numa audiência e disse que eu empurrei o carrinho da minha filha ladeira abaixo (!). Não sei quais mentiras a outra parte inventou para o porteiro decidir falar uma calúnia destas ou qto foi pago para ele... pensei em ir lá, falar e entrar com processo... mas processar um porteiro? Só perderia mais tempo... não acredito em Justiça também, pq mesmo que aconteça tardiamente, o mal já foi feito, o estrago nas vidas dos nossos filhos também... me manda um email particular, para q vc possa entrar em contato com um grupo q está preparando material para enviar para sedes internacionais de direitos humanos, pq no Brasil é uma piada pronta...

      Excluir
    2. Olá adriana, me interesso por essas causas, sou locutora de rádio, mas não estou na ativa, meu email: veraluciamchd130668@gmail.com

      Aguardando ansiosa,
      Vera Lúcia

      Excluir
    3. Fui relapsa, deixei de responder aos comentários... tão cansada, exausta, me desculpe Vera Lúcia, me mande um email mendes_jornalista@yahoo.com.br

      Bjs e muito obrigada!

      Excluir
  6. Tenho dois filhos. Estou lutando pela guarda deles, pois a mãe quis deixá-los sob a guarda da avó materna, sendo que ela rejeitou seu apelo. Eu, no meu trabaho muito inocente, achando que que eles estavam bem me espanto com o vizinho dizendo que a mãe dos meus filhos filhos vai deixá-los com os tios pra se aventurar no mundo. Por que ela simplesmente não se dirigiu a mim e os deixou sob minha segurança e cuidados? Mães desnaturadas não merecem se quer serem chamadas de mães e igualmente digo isto a certos tipos de pais que têm por aí.SE HÁ ALGUMA COISA NESSE PLANETA IMUNDO DE QUE EU AMO DE VERDADE SÃO OS MEUS FILHOS. E vou lutar por ELES até o meu último fôlego de vida mesmo sabendo que a justiça beneficia a mãe e não ao pai. Não importa o que ela seja ou o que ela faça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E como está sua história agora? Eu consegui ver, após 2 anos e 3 meses, uma vez por semana, monitorada, no fórum... triste demais...

      Excluir
  7. tenho uam filha de 14 anos e desde cedo o pai tenta pega la de mim ,ja tentou, e contando nos dedos o dia que a tal FAMOSA LEI que ela tem o direito de escolha ,nunca me deu o suficiente para cria la mais vivi assim mesmo mesmo pq recebi pouco a cerca de uns 3 anos esta numa multinacional e a pensao alimenticia aumentou ai dai começou o inferno agora ele ja foi no conselho tutelar e esta convencendo a filha a ir morar com o pai so que a filha disse que quer ir por uns tempos e voltar e isso me deixa furiosa a tal ponto de falar besteiras para ela mesmo ele ja teve dois processos de agressoes uma contra minha mae e outro no seu ambiente de trabalho e oq faço o conselho tutelar podera vir na minha casa ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Mônica, vc ainda tem sorte, pois está com sua filha... e aos 14 anos, ela escolhe. Se ela quiser ir por opção ainda será menos pior do que a imposição da Justiça. Dê muito amor pra sua filha e diga que a ama todos os dias, pois eu fiquei 2 anos e 3 meses sem saber da minha... bjs e obrigada!

      Excluir
  8. Estou preocupada em relação ao processo de guarda movido pela minha ex sogra, minha filha tem 8 anos e esta morando com ela a 3 anos, tempo esse em que vim de Vitória para Macaé estudar, me formei e acabei noivando e resolvendo não voltar pra Vitória mais..Até então o acordo que tinha feito com minha ex sogra estava valendo, que quando eu acabasse o curso pegaria minha filha de volta, porém ela entrou na justiça pois não quer que eu a traga para Macaé. Me caso no começo de 2014, mas já moro com meu noivo e temos união estável em papel, ele é funcionário publico, trabalha no estado e na prefeitura, ama e trabalha com criança, minha filha adora ele e depois da primeira audiência a juíza pediu que ela fosse ouvida pela psicologa e ela me contou por telefone q tinha ido na psicologa e que tinha dito que queria morar comigo, pois sentia saudades e me amava. Agora foi pedido um estudo da minha casa em Macaé que é própria e já tem o quarto dela todo pintado e decorado só esperando ela chegar.. tem chance de eu como mãe e tendo condições perder minha filha por ter deixado ela com avó enquanto estudava. Sou filha unica e tenho uma mãe alcoólatra, não tinha outra pessoa para deixar minha filha.. Tinha que trabalhar e estudar pelo nosso futuro. ACHAM QUE POSSO PERDER?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, Jessica, por minha experiência e das minhas amigas, acho q vc pode perder... mas onde está o pai da sua filha nessa história? O processo é longo, ainda mais em Estados diferentes, com carta precatórias e tal, pode levar anos... até ela crescer, é o que acontece com a maioria. Minha singela opinião é que vc tente burlar a Lei, encontre brechas na Justiça para reverter isso. Vc já tem advogado? Escolha um bem malvado e sem ética, que escreve qqr coisa sem provas, pq na Vara de Família todos são culpados até que se prove o contrário. Sorte pra vc e, principalmente, para sua filha!

      Excluir
  9. Estou separada 1 ano e 7 meses e fiquei com a guarda da minha filha! agora me ex marido quer entrar na justiça para tira la de mim,pois o motivo da separação foi por ele me violentar muito e aguentei apanhar na cara durante 7 anos...pois logo que separei casei novamente e por isso recebi várias ameças do meu ex,ele paga pensão atrasadas mais paga e sempre levo ela para passear na casa dele,só que sempre que nos encontramos discutimos e tenho medo de aconteça algo..então por isso estou evitando contato com meu ex,mas ele quer tirar minha filha de mim sendo que ele apenas paga pensão e não faz mais nada por ela,ela tem problema de estrabismo e meu atual marido que me ajuda correr atras de oftalmo para ela e graças a Deus e segundo ao meu marido em março ela vai ser operada,e o pai dela onde fica nessa história? sendo que ele não move uma palha para ajudar e ainda reclama de pagar 150,00 mensais para filha! Quais são as chances dele conseguir tira inha princesinha de mim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talita, se a guarda já é sua legalmente e você tem todas essas provas de agressão, não se desespere! Se você ainda não entrou legalmente com nada, entre, por experiência própria e de outras mães, a Vara de Família funciona assim: quem chegar primeiro com qualquer falsa acusação fica com a guarda, daí o outro tem que provar que é mentira e isso leva uns anos. Não precisa mentir, você tem as provas, os prontuários médicos. Mostre que é forte, porque você já teve coragem de sair de uma relação dominadora e agressiva. Seja feliz com seu novo amor e sua filha <3

      Excluir
  10. Meu Deus, me encontro desesperada, com medo de perder meus filhos, pro pai que dizia amar loucamente eles e mau arranja tempo para ve-los, pior é os avós no meio tbm, eles tem mais condições isso eu sei, mas eu sou a mãe, ninguém jamais amara eles como eu... triste e com medo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma Gabi, se quiser me escreva no mendes_jornalista@yahoo.com.br e me conte detalhes, de alguma coisa tem que servir tudo que eu passo: evitar que outras mães também passem por isso! Bjs

      Excluir
  11. Preconceito também é o que um pai sofre quando disputa a guarda de um filho, o ideal mesmo é não separar.
    Parece que a sociedade pensa que a mãe perdeu a guarda para um E.T., entendo mas discordo (em parte) de apenas um pequeno trecho que apenas sugere o preconceito que o pai sofre "Pobre filho que perde o direito de ter mãe!".

    Entendam:

    O pai não carregou o filho no ventre nem amamentou, mas amor é incondicional. Às vezes a mãe perde a guarda porquê confunde. Pai ama o filho sim! E sofre muito com esse preconceito feminista da sociedade.

    ResponderExcluir
  12. Olha James Bond, nunca vi preconceito feminista da sociedade. Vivemos num patriarcado, o mundo é machista. Geralmente quando um pai disputa a guarda é por vingança. Qdo a consegue a criança fica aos cuidados de terceiras (madrasta, avó, babá, tia), nunca o pai cuida sozinho. Quantas mães vc conhece que cuidam sozinhas??? Só no Brasil 52% dos lares são chefiados por mulheres. Por isso nós, que perdemos a guarda é que somos vistas como ETs e criminosas... concordo que existem muitos pais que amam os filhos, mas pai que tira filho de mãe por vingança é isento de amor...

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Gente Meu nome é Ricardo, tenho um filho de 7 anos e fiquei sem ve-lo po mais de 2 anos.
    Não é porque sou homem e vcs mulheres que isso tambem não pode acontecer comigo (homen)...
    Ontem dia 30/01/2014 foi a minha audiencia Sobre a guarda do Meu filho Arthur, eu entrei com o pedido, porem sabia dos riscos de perder a ação, e foi exatamente o que ocorreu, mas o que mais de deixou muito mais muito triste a p. da vida é que tembem existem mães que compram e se vendem para ter o que querem e ferrar com o PAI da criança. Ela sempre usou meu filho para me atingir. Pra vcs terem uma ideia, como uma mãe que fala que é deficiente de uma perna, anda normalmente com salto agulha de 15cm? diz que tem 3 filhos o meu e mais duas meninas pequenas (de outro pai) não tem condições de sair de casa para levar o menimo no dentista porque é dificil sair com 3 crianças, o Arthur tem 7 anos e não frequenta a escola corretamente, tem mais de 60 faltas durante o ano letivo, foi acionada pelo concelho tutelar e o concelheiro não consegue intima-la para que possa prestar esclarecimentos sobre as faltas do aluno e mesmo assim o Juiz determina que o melhor para o menino é ficar com ela??? alguem pode me explicar isso??? uma mulher que na frente do juiz chora, faz drama, diz que não me interesso pelo meu filho e que sempre me conta tudo do menino, porem eu não sei nada e quando pergunto algo sou recebido a grosserias e xingamentos, muita agressividade pra uma mulher que diz ser uma otima mãe. Casada com outro homem (pai das duas meninas) que judia do meu filho, e dela (pelo menos que ela mesmo conta com quer dinheiro, que não aguenta mais sofrer na mão do marido, e não aguenta mais ver ele judiando do meu filho) e mesmo assim na frente do juiz EU, Somente EU era o errado, o monstro, o pai ausente... se fosse verdade eu mesmo teria entrado com a ação??? porque, por vingança? o que eu ganho com isso...? me digam, é facil cuidar de filho??? não seria mais facil eu pega-lo de 15 em 15 dias só pra se divertir? porque assumir uma responsabilidade tão pesada de criar uma criança, se é mais facil só aproveitar o lado bom (finais de semanas Divertidos) então deixo aqui meu apelo, SOU PAI E VIVO A MESMA SITUAÇÃO DE MUITAS DE VCS... meu filho anda sujo, rasgado unhas sem cortar, não aprendeu a escrever, varias vezes peguei para passar o final de semana e tive que lavar toda a roupa dele porque estava suja de coco e xixi de gato, dentro da mochilinha dele, como vcs se sentiriam no meu lugar??? e ai vem um juiz que acha que é deus para decidir a vida de alguem mas não sabe que esta matando outra... muitas mulheres sabem muito bem aproveitar uma situação apenas por vingança e não pensa que o filho tem pai, acha que pai não serve pra nada, apenas pra pagar pensão... acontece que pai da personalidade ao filho homem e protege a filha mulher das maldades dos homens da idade dela... muitas vezes os filhos procuram o pai para desabafar, mesmo sendo menina... se alguem discorda do que disse me perdoe, não estou julgando ninguem, apenas estou expressando minha indignação perante a uma lei falha e absurda, ambos (pai e mãe) tem o mesmo direto, a mesma obrigação... mas ninguem pensa no bem estar da criança e sim na vingança, em atacar a outra parte... se vc não consegue fazer o minimo que é mandar a criança pra escola, então desculpem não sei mais o que é ensinar a ter responsabilidade, se com 7 anos ja se ensina a não honrar compromissos, como vai ser quando tiver idade para mandar na propria vida??? Obrigado pela oportunidade.

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus, estou vivendo este mesmo caso, miha filha pela segunda vez foi tirada de mim e a justiça não faz nada. Ela está sofrendo, querendo voltar pra casa, e ele não deixa, só pq tem dinheiro, e quer me prejudicar, vingança pura, como a justiça não ve a dor de uma mãe. como um pai é capaz de fazer tanta maldade, estou estarrecida com tamana crueldade, e nada é feito. Onde está o direito da mãe que gerou, amamentou, cuidou, protegeu, amou. Onde estãos os direitos legais de uma mãe que era tão feliz ao lado da filha. Cade a justiça deste pais, parace que uma faca passou meu peito, me sinto na cruz como maria vendo seu filho sofrer e ninguém apelar por ela. como dói, dói demais, ela tem só 7 aninhos e é meu xodó. amo esta menina de paixão e um pai cruel faz isto com ela e a mãe.

    ResponderExcluir
  16. olá boa tarde, eu sei que a lei Portuguesa não é a mesma que a Brasileira mas estou aflita e preciso desabafar.
    Em 2006 engravidei e em 2007 nasce Helena, a relação com o pai vai de mal a pior. Após separar e voltar e vice-versa acabei por separar de vez em inícios de 2009. No entanto como passei por depressão etc decidimos deixar a minha filha com a minha mãe (a menina tinha perto de cinco meses) onde ela ficou até hoje! muito tempo eu sei. O pai da menina é militar, tem emprego fixo e para sempre enquanto que eu deixei a carreira militar e tenho andado de emprego em emprego e nunca sem condição financeira de a ter comigo ou dar pensão. O pai dá pensão e vem buscar todos os 15 dias e leva de férias. Nunca quis saber muito da filha e ir numa consulta em seis anos deve ter sido a coisa mais rara que ele fez. Nunca liga para a filha durante a semana nem nada, eu ligo todos todos dias!! Todos!
    Ele casou ano passado em Agosto e eu não suporto a raopariga, não por ciúme mas pk é daquelas pessoas que parecem carregadas de maldade. A minha filha parece gostar dela e até a defende, além que mostra muito interesse em ir viver com o pai a 120km de distância! Recebemos ontem a carta em que ele pede a guarda da minha filha, quer tirar a criança da minha mãe que a criou desde bebe!! Será que o tribunal vai ceder ao pedido dele? o nosso advogado está receoso .....

    ResponderExcluir